domingo, 30 de agosto de 2009

No palco da nossa vida somos nós que mudamos o cenário…

Conforme o tempo passa, mais eu acredito na importância das coisas que me acontecem. Isto porque tenho prestado atenção à minha vida, à minha existência, às mais diferentes circunstâncias e passagens que tive que viver; concluí que, de tudo aproveitei bastante pois nada deixou de ser muito importante e muito valioso para o minha evolução como pessoa humana. Reflectindo sobre isto, percebo que somos actores desempenhando um papel fundamental e único, numa peça formidável fundamental e complexa que se chama “vida”, cujo cenário, roteiro e elenco são programados pelos meus sentidos, pelo meu amor e pelos meus afectos. Umas vezes a peça torna-se triste, cansativa, sem cor , sem interesse, sem sabor e sem saber e outras vezes, alegre, fantástica, recheada de alegria, muita cor, sabor e sabedoria.

O importante é que não deixe de actuar, fazendo sempre o melhor nesse papel, pois tudo o que tenho que viver é justamente o que me resta e necessito aprender.
Há momentos em que fico desanimada, pois o elenco é pobre cansativo e desolador... Mas nunca esqueço que o importante é o que se passa no meu interior, no meu verdadeiro eu. Que vença o Amor. Que a esperança nunca me abandone, pois o futuro haverá de ser mais ameno e mais calmo se depender do que fizer no presente, embora continue a ter muitas duvidas, porque os humanos são intrometidos e maléficos para as mais lindas e mais pequenas coisas da vida ou seja as mais valiosas. Tanto está no pequeno frasco o melhor perfume, como o pior veneno. Veja-se quaõ paradoxal é a existência das coisas. Assim, o livre - arbítrio, ou seja o nosso instinto que nos orienta a conduta, é que nos concede a liberdade de aprendermos, ou não, com a vida todos os dias. O tempo pode ser a mais poderosa das respostas, e, no momento certo, a mais compreensiva e esclarecedora delas. A vida dá muitas voltas. Feita de laços e embaraços, cansa-nos os braços, para que não percamos muito tempo com tudo aquilo cujo conhecimento já foi adquirido, cujo perfume já foi conhecido…cujo veneno já se conhece o antídoto, ou seja, tudo já foi percebido. Percebi que tudo acontece para que o meu caminho seja mais florido, mais colorido, mais construtivo e mais evolutivo... acontece, para que eu conheça o que realmente há para conhecer e, perceber a grande obra de arte e grande missão de vida, que está na nossa mão.

Quando o silêncio do tempo se instala à nossa volta somos obrigados a respeitar. .. acontecem as mudanças que fazem com que a nossa visão interior nos mostre algo diferente, tudo aquilo que não estamos habituados a ver, nem a respeitar e, nem a perceber, mas que existe, e é preciso sabermos que existe. È o novo, e o novo é sempre a certeza de um novo saber ... de estarmos inseridos numa nova realidade numa nova verdade, na real e verdadeira verdade, na verdadeira evolução e no real e verdadeiro crescer. O tempo traz consigo sempre algo diferente que devemos saber perceber, e, o novo é o que sentimos a cada respiração, a cada minuto, a cada hora, a cada dia, a cada ano. Não podemos ter medo desse mundo grandioso que é sempre o mundo novo. Não podemos temer as novas estações ou as alterações do clima. Podem entristecer-nos e até fazer-nos sofrer, mas o o tempo existe para nos mostrar o caminho a seguir, e, quase de certeza que traz consigo resultados valiosos e mais valias, pois é com o quando o tempo se altera que vemos a natureza florir, é com as alterações do tempo que a natureza se regenera, e nunca deixa de ser bela e nem de nos surpreender e encantar.

O tempo é um porto de abrigo seguro, que nos obriga a sorrir. Se for difícil de encenar, resta-nos a certeza de aprender a compreender bem o que traz para nos ensinar.
Vivendo todos nós momentos difíceis, cada um à sua maneira, procuremos tirar deles os ensinamentos que pudermos, para que possamos passar para outras dimensões, livres de cenas desagradáveis, tristes e sofridas, ódios e rancores, encenando sim uma peça no palco da vida digna de se recordar. Se um roteiro for bem interiorizado e compreendido, ele dissolve-se no cenário que facilmente conseguimos montar, e seguimos no palco da vida mais soltos, mais livres, melhor caracterizados, e acreditem, no palco da vida, somos nós quem muda o cenário...

Um Abraço e Até Sempre, ManuelaPinheiro (DA)

2 comentários:

Paulo Sempre disse...

No palco da vida raramente somos reais, excepto quando o pano cai...

Beijo

O Saber e As Máscaras disse...

CONCORDO PAULO ... MAS EU SOU RARA!